• seg. jul 22nd, 2024

Portal Ronda Geral AM

Notícias em tempo real!

Sonda chinesa decola com amostras do lado oculto da Lua; entenda missão histórica

ByPor Redação

jun 4, 2024

China também se tornou o primeiro país a exibir sua bandeira nacional no lado oculto da Lua, que permanentemente fica voltado para longe da Terra

A sonda lunar Chang’e-6 da China partiu do lado oculto da Lua nesta terça-feira (4), chegando mais perto de completar uma missão ambiciosa que sublinha a ascensão do país como uma superpotência espacial.

Em um momento simbólico antes da decolagem, a China também se tornou o primeiro país a exibir sua bandeira nacional no lado oculto da Lua, que permanentemente fica voltado para longe da Terra.

A sonda, carregando as primeiras rochas lunares já coletadas do lado oculto da Lua, decolou e entrou em órbita lunar no início da manhã de terça-feira, horário de Pequim, após uma coleta bem-sucedida de amostras nos dois dias anteriores, de acordo com um comunicado da Administração Espacial Nacional da China (CNSA).

A viagem de retorno à Terra está estimada em cerca de três semanas, com um pouso esperado na região da Mongólia Interior, na China, por volta de 25 de junho.

O retorno bem-sucedido das amostras daria à China uma vantagem inicial em aproveitar os benefícios estratégicos e científicos da exploração lunar expandida – um campo cada vez mais competitivo que contribuiu para o que o chefe da Nasa (agência espacial dos Estados Unidos), Bill Nelson, chama de uma nova “corrida espacial”.

Esta é a segunda vez que a China coleta amostras da Lua, após a Chang’e-5 trazer de volta rochas do lado visível em 2020.

No início deste ano, Nelson pareceu reconhecer que o ritmo da China – e preocupações sobre suas intenções – estava impulsionando a urgência americana de retornar à Lua, décadas após as missões tripuladas Apollo.

Uma foto postada pela CNSA na terça-feira e que está em alta na plataforma Weibo, similar ao X (antigo Twitter), mostra a superfície perfurada em uma forma que se assemelha ao caractere chinês “zhong”, ou “meio” em inglês – o primeiro caractere na palavra chinesa para “China”.

A sonda Chang’e-6 resistiu “ao teste de altas temperaturas” e coletou as amostras perfurando a superfície da Lua e recolhendo o solo e as rochas com um braço mecânico, disse a CNSA.

Após coletar as amostras, a Chang’e-6 estendeu um braço robótico para erguer a bandeira chinesa, de acordo com uma animação divulgada pela CNSA.

A bandeira, feita de basalto rochoso vulcânico, foi projetada para resistir à corrosão e às temperaturas extremas no lado oculto da Lua com foco em futuras missões lunares, disse um engenheiro da Chang’e-6 à emissora estatal CCTV.

A rocha “foi triturada, derretida e transformada em filamentos com cerca de um terço do diâmetro de um fio de cabelo humano, depois fiada em linha e tecida em tecido”, disse o engenheiro Zhou Changyi.

“A superfície lunar é rica em basalto”, acrescentou Zhou. “Como estamos construindo uma base lunar no futuro, provavelmente teremos que transformar o basalto em fibras e usá-lo como material de construção.”

Missão histórica

A Chang’e-6 pousou com sucesso na manhã de domingo (2) na Bacia de South Pole-Aitken, a mais antiga bacia de impacto da Lua, formada há cerca de 4 bilhões de anos. Este foi o segundo pouso bem-sucedido no lado oculto da lua, após a China ter realizado esse feito histórico pela primeira vez em 2019 com a sonda Chang’e-4.

Se tudo correr como planejado, a missão – que começou em 3 de maio e deve durar 53 dias – pode ser um marco importante na tentativa da China de se tornar uma potência espacial dominante.

Os planos do país incluem levar astronautas à Lua até 2030 e construir uma base de pesquisa em seu polo sul, uma região que se acredita conter gelo de água.

As amostras coletadas pelo módulo de pouso Chang’e-6 podem fornecer pistas cruciais sobre a origem e a evolução da Lua, da Terra e do Sistema Solar, segundo especialistas – enquanto a própria missão fornece dados importantes e prática técnica para avançar as ambições lunares da China.

“O enigmático lado oculto da Lua é tão diferente do lado visível em muitos aspectos, que sem amostras retornadas, os cientistas lunares não podem entender completamente a Lua como um corpo planetário completo”, disse James Head, professor emérito da Universidade Brown que colaborou com os cientistas chineses que lideram a missão. “As amostras retornadas da Chang’e-6 permitirão grandes avanços na solução desses problemas.”

O lado oculto da Lua está fora do alcance das comunicações normais, o que significa que a Chang’e-6 também deve depender de um satélite lançado em órbita lunar em março, o Queqiao-2.

A China planeja lançar mais duas missões na série Chang’e à medida que se aproxima de sua meta de enviar astronautas à Lua até 2030.

Corrida espacial

Vários países estão expandindo seus programas lunares, com um foco crescente em garantir acesso a recursos e na exploração do espaço profundo.

No ano passado, a Índia pousou uma espaçonave na Lua pela primeira vez, enquanto a primeira missão de pouso lunar da Rússia em décadas terminou em fracasso quando sua sonda Luna 25 caiu na superfície lunar.

Em janeiro, o Japão se tornou o quinto país a pousar uma espaçonave na Lua, embora seu módulo de pouso Moon Sniper tenha enfrentado problemas de energia devido a um ângulo de pouso incorreto. No mês seguinte, a IM-1, uma missão financiada pela Nasa e projetada pela empresa privada texana Intuitive Machines, pousou perto do polo sul lunar.

Esse pouso – o primeiro de uma espaçonave fabricada nos EUA em mais de cinco décadas – está entre várias missões comerciais planejadas para explorar a superfície lunar antes que a Nasa tente retornar astronautas americanos lá já em 2026 e construir seu acampamento base científico.

Fonte: CNN Brasil

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *