• qui. maio 23rd, 2024

Um empresário e uma funcionária pública tem mandados de prisão por estupro de vulnerável

ByPor Redação

abr 17, 2024

Duas pessoas tiveram seus mandados de prisão preventiva cumpridos pela Polícia Civil por crime de estupro de vulnerável, contra uma criança de 10 anos de idade. O primeiro a ser preso foi o empresário F. C. A, R., de 48 anos, por uma equipe do 3º DP (Distrito Policial) e, a segunda pessoa, foi a funcionária pública A. P. S. M., de 49 anos, avó da criança, que decidiu se entregar após saber da prisão do marido.

O crime contra a criança passou a ser investigado em fevereiro deste ano, quando a mãe dele procurou o NPCA (Núcleo de Proteção à Criança e Adolescente). A criança morava com a avó materna desde os cinco anos de idade, ocasião em que a mãe separou do pai e morava em Manaus. Posteriormente, ao retornar para Boa Vista, ela deixou a criança morando com a mãe.

A criança passou a ficar os finais de semana com a mãe, que passou a perceber seu comportamento com muita ansiedade, demonstrava medo, tinha dificuldades em dormir à noite e passou a dizer que não queria mais retornar para o convívio com a avó materna.

De acordo com informações prestadas pela delegada titular do NPCA, Jaira Farias, a criança terminou confessando para o padrasto o motivo pelo qual não queria retornar, que sofria violência física e sexual por parte da avó e do marido dela.

“A criança foi encaminhada para atendimento psicológico, cujo relatório trazem informações muito graves do que ele sofreu, principalmente por parte do marido da avó dele. As investigações apontam que avó não somente era conivente com a violência sexual, como também participava”, disse a delegada.

A delegada disse ainda que o casal foi interrogado no NPCA, mas negou todas as acusações contra eles.

A própria Justiça, por meio da Vara de Crimes Contra Vulneráveis, a pedido do MPRR (Ministério Público de Roraima), decretou a prisão preventiva do casal. O homem foi preso ontem, pela equipe da SIOP (Seção de Investigação e Operação) do 3º DP, e a mulher não foi encontrada. No entanto, na noite de ontem, se apresentou na Central de Flagrantes, acompanhada de um advogado, e teve seu mandado de

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *